5 verdades sobre um relacionamento que você precisa saber

As relações amorosas, mais do que quaisquer outras, costumam ser rodeadas de mitos. É comum a gente escutar que um novo amor cura o amor que acabou ou que o homem gosta mais de fazer sexo que a mulher.

Mas serão verdadeiras essas afirmações que circulam pela mitologia popular? Para tentar compreender melhor o que realmente procede e o que não passa de especulação barata, fomos fazer uma investigação sobre o assunto na internet, consultando alguns coachs e sites de relacionamentos.

Por isso é que trazemos abaixo 5 clichês sobre as relações amorosas que você precisa esquecer para sempre.

1. Os opostos se atraem

Isso depende muito, cara amiga. Primeiro, é preciso entender que o que vai definir a qualidade do seu relacionamento é a relação que você tem consigo mesma. É possível que os opostos se atraiam se tudo estiver bem com você.

Mas, para que a relação dure, é preciso  abandonar hábitos, sair da zona de conforto, é preciso amadurecer reinventando-se a partir do ‘oposto’ que o outro representa.

Na maioria das vezes, uma atração inicial pelo diferente é o que acontece, mas o hábito e a mesmice irão predominar e acarretar conflitos onde as diferenças serão usadas como pretexto.

2. O amor supera tudo

Este é um mito dos grandes. É preciso que haja muito mais coisas para o relacionamento durar do que apenas o amor. É preciso que o diálogo, o tesão e a compreensão se transformem em comportamento, pois só assim haverá resultados satisfatórios. Sem o comportamento adequado, não há amor que segure uma relação.

3. Os homens sentem muito mais vontade de fazer sexo que as mulheres

Esta é basicamente uma imposição cultural. Enquanto os homens desde pequenos são acostumados a expressar sua sexualidade, as mulheres são obrigadas a reprimi-la, a se fazer de difícil e outros estereótipos. Ter mais ou menos vontade de fazer sexo não é algo inato, biológico, mas um elemento cultural.

4. A mulher é mais sensível que o homem

Não necessariamente. Mais uma vez, o caso é mais cultural do que biológico: os homens são criados para serem os fornecedores do lar, vivendo externamente, e portanto mais ‘insensíveis’, enquanto as mulheres são criadas para serem ‘fadas do lar’. Este cenário está mudando, mas muito lentamente, principalmente nas culturas latinas e machistas.

5. Nada melhor que um novo amor para esquecer um velho amor

Podemos afirmar que isso é verdade se a pessoa está aberta a um novo amor, permitindo deixar o passado para trás. Porém, um novo amor não tem o poder de curar as feridas deixadas por outro. É fundamental também não transferir os problemas antigos para o novo parceiro.