Irmã da mãe que teve a bebê em grave acidente, compartilhou agora fotos da pequena Jenifer

A tia da bebê que nasceu na sequência de um grave acidente automobilístico postou uma foto da sobrinha, causando comoção nas redes sociais.

Jenifer, que vai ser cuidada pelos avós, nasceu após a barriga de sua mãe, Ingrid Irene, de 20 anos, ter se rompido durante o choque em que se envolveu o caminhão onde ela estava.

Apesar da tristeza pela morte da irmã, Adriele Ribeiro resolveu registrar este momento de alegria pela sobrinha, agradecendo também ao trabalho do Conselho Tutelar de Paruquera-Açu.

“O melhor e mais humano conselho tutelar. Uma equipe de anjos enviada para nos ajudar, acolher e acompanhar desde a chegada em Pariquera até a saída com a pequenina”, escreveu a tia da menina no seu perfil no Facebook.

“Seremos eternamente gratos por tudo o que vocês fizeram. Que Deus retribua tudo aquilo que fizeram por nós. Muito obrigada por fazerem parte dessa história, pelo carinho, amor e acolhimento que trataram nosso caso. Obrigada”, completou.

O acidente

A pequena Jenifer nasceu na sequência de um grave acidente automobilístico na Rodovia Régis Bittencourt, no interior de São Paulo.

Ingrid Irene foi arremessada para fora do caminhão em que seguia, com o seu abdômen rompendo durante o choque e obrigando a bebê a um nascimento involuntário.

Segundo a equipe médica ouvida pelo Extra, nos seus primeiros minutos de vida, o corpo da mãe que acolheu a bebê foi fundamental para que ela sobrevivesse.

Quem se deparou com a bebê foi o médico Elton Barbosa, que faz parte da equipe de atendimento pré-hospitalar da Rodovia Regis Bittencourt, que foi enviado para socorrer as vítimas do acidente no Km 517, na Serra do Azeite, em Cajati.

O caminhão, que transportava tábuas de madeira, saiu da pista, tombando, com o motorista tendo ficado preso nas ferragens e a jovem carona jogada para fora do veículo, com a carga de madeira caindo em cima dela.

“Enquanto outra equipe retirava o motorista das ferragens do caminhão, eu tentava chegar até a outra vítima, que estava em baixo das tábuas, para lhe atestar o óbito. Foi quando escutei um choro abafado de bebê. Retiramos as tábuas e encontramos a mãe, com a criança entrelaçada em suas vísceras”, disse o médico.

Segundo o profissional de saúde, a hipótese provável é que o feto tenha sido expulso do corpo da mãe pelo trauma, quando as tábuas provavelmente romperam o abdômen da mãe. “A criança estava entrelaçada entre os restos mortais da mãe quando eu cheguei. Eu retirei o bebê e o levei para a ambulância depois de fazer os procedimentos cabíveis”, disse.

Foi Deus

“Para ser sincero, não sei como a criança sobreviveu”, disse Elton Barbosa. “Foi Deus o responsável. Nunca tinha visto um caso desses. A mãe estava embaixo de várias pranchas de MDF. O seu abdômen foi exposto. Um verdadeiro milagre”, disse o médico. “Esse caso literalmente marcou minha vida. Nunca tinha acontecido um acidente dessas proporções na rodovia. Perdemos uma vida, mas fomos responsáveis por dar a vida a uma menina”, finalizou.